Letra 8: Inimigo do Silêncio

Atualizado: 6 de Jul de 2020

Inimigo do Silêncio

Composição: Sérgio Dall’orto

(Refrão)

Eu sei que esperar é suicídio lento. Tô na fronteira que divide a sanidade e o enlouquecimento. De tanto procurar... Virei inimigo desse tanto de silêncio.

(Estrofe 1)

De longe viu a fresta. Era uma ideia!

E curioso pelo mundo interno, Achou um verso. E avistou um homem em busca de um mistério. Inédito na sua maneira. Saiu atrás de algum silêncio em meio a barulheira...

E ele é “22”, um minuto pela mágoa... De insistir que quem anda como pomba, Nunca voará como uma águia. E procura silêncio em tanta barulheira, Era besteira, mania de fazer tudo a minha maneira.

E até que foi engraçado... Eu querendo fazer arte e arrumei trabalho. Fiz uns "trocado", Ainda pouco era um salário... E quanta gente criticando o lado imaginário.

Depois foi fácil, né?! Crescer o "zói", dizer que quer. Que o papo de revolta é um para-raio pra eu ter mais mulher. Vai nessa "ideia"...O argumento chega a ser grosseiro.

Se fosse dinheiro ou por mulher, Eu era sertanejo.

(Ponte) Na intensão de me sentir completo, não só um meio. Sentimento veio, a incerteza mata! Sai da frente! Aqui a gente é sangue quente. Sangue frio parece ineficiente.

Quanta gente sem ter fome na barriga é faminta na mente?


(Refrão) Dessa viagem ninguém vai me deportar... Meu passaporte tá em dias já tem tempo.

(Estrofe 2)

Saiu pra ver...Viu que a emoção agora é algo bem maior Que a acreditar em si é vaidade necessária pra um mundo melhor. Virei inimigo declarado desse meu silêncio. Assumi essas canções como bem mais que um passatempo.

Eita rapaz alegre! o que te faz tão triste? Vai tentar ser mais feliz... E quando cisma não desiste. Vai longe nas "ideia" atrás da certa.

Jamais protagonista de tragédia. Eu puxo as rédeas.

Não pense que não existe inveja. Eu nem dou trela, não dou papo pra Zé Ruela. Fiquei "doidim" pra perguntar de vez: "Qual vai ser o amor eterno dela novo esse mês?"

Sem ser grosseiro, Se fosse médico ou engenheiro... Se fosse dinheiro, se fosse por mulher devia ser funkeiro

(Ponte)

(Refrão)


(Parte C)

E pode crer que sim. Descobri que existe uma força em mim, Que até hoje eu não sei se é boa ou se é ruim.

Não sou repórter de absurdo. Eu analiso pra evitar descuido, Que os argumentos nunca sejam fluídos! É meu projeto pro futuro. Minha luz no fim do túnel, É meu querer acreditar mais uma vez no mundo. E nas pessoas que eu vejo ao redor. Se o amor é laço, eu dou um nó! E que a chama da paixão nunca termine em pó. (2x)

(Refrão)


______________________ FICHA TÉCNICA _______________________________


Ficha Técnica:

Composição: Sérgio Dall'orto

Produção musical: Guilherme Negrão (Will Negrão)

Violão e voz: Sérgio Dall'orto Baixo

Back vocals: Lucas Pimentel

Guitarras: Fernando Morais

Programações e teclados: Guilherme Negrão (Will Negrão)

Mix/Master: Guilherme Negrão

Estúdio: BlueRecords, Brasília-DF

Arte Design: Carlos André Cascelli

Fotografia: Gabriel Ryota

Produtora: Merun Filmes

20 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo